Português Italian English Spanish

Cobrador de ônibus encontra celular perdido e devolve à dona em Santos Dumont

Cobrador de ônibus encontra celular perdido e devolve à dona em Santos Dumont

Data de Publicação: 21 de junho de 2022 16:03:00
Em viagem entre SD e JF, Thamires Guedes perdeu o telefone que continha imagens de exames do filho, além do cartão de um banco que estava na capinha do aparelho

Por Peterson Escobar - Repórter 

"Minha eterna gratidão a esse profissional pela sua honestidade". Foi assim que Thamires Guedes Rabello definiu a situação que teve um desfecho feliz para ela. Durante uma viagem entre Juiz de Fora e Santos Dumont, na última sexta-feira (16), a mulher que trabalha como design gráfico acabou perdendo o celular, que levava consigo na capinha um cartão de banco além de fotos de exames do filho de 1 ano.

"Foi no horário de 19h15. Eu estava no ônibus com três crianças (com idades de 1, 3 e 9 anos) e duas malas. Ao chegar na minha residência senti falta do meu celular e fui imediatamente na garagem da Transur em Santos Dumont para ver se alguem havia achado o aparelho", conta.

Ainda segundo Thamires, após ela descrever as características físicas do funcionário que trabalhava como cobrador no horário da perda, foi possível identificar o rapaz como Wlandimir Guilherme. 

"Fiz uma publicação em uma rede social e consegui chegar até o Wlandimir. Ele disse que lembrou de mim na viagem e foi procurar no ônibus que já estava em outra jornada. Eu havia sentado no primeiro banco alto, próximo à porta do meio para o acesso de cadeirantes. Ele encontrou o celular caído no chão do ônibus", disse.

Como forma de provar que o celular realmente a pertencia, Thamires descreveu que havia na capinha do aparelho um cartão de banco com seu nome, além de fotos de exames do filho, o pequeno Pyetro Guedes, de 1 ano.

"Fui a Juiz de Fora justamente por causa da consulta médica do Pyetro, e a doutora no Acispes precisava das fotos dos exames para essa segunda-feira (20). Então eu não tenho nem como retribuir o que ele fez por mim".

Após o horário de serviço, o funcionário se dispôs a ir por meios próprios até a casa de Thamires, no bairro Nossa Senhora Aparecida, entregar o aparelho.

"Chegou tudo certinho, mas não digo nem pelo aparelho em si. A atitude e a boa vontade dele em vir me entregar. Falei pra ele que não tenho condições de retribuir financeiramente, mas coloco ele em minhas orações e peço que Deus o abençoe grandemente por seu caráter, o mundo precisa de mais pessoas assim".

Wlandimir, 36, trabalha na empresa há cerca de 10 anos e comentou a situação. 

"Eu sou assim: o que é meu é meu, o que é dos outros é dos outros. Gosto das coisas certas. Eu achar pertence de outra pessoa aqui dentro, o mínimo que eu posso fazer é devolver. Nesse dia, chegamos em Santos Dumont e retornamos direto para Juiz de Fora, por isso só fui encontrar com o ônibus em movimento. O meu colega de trabalho me ligou e consegui achar o aparelho caído no chão", disse. 

Segundo o trabalhador, ele já passou por situações semelhantes e procedeu da mesma maneira: "Pessoal esquece muito celular, carteira, bolsa, até comida você acha aí".

 

Foto: Peterson Escobar

  Seja o primeiro a comentar!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Envie seu comentário preenchendo os campos abaixo

Nome
E-mail
Localização
Comentário